quinta-feira, 20 de Junho de 2013

ESQUECIMENTO IMPERDOÁVEL

Imperdoavelmente esqueci-me de dizer no post anterior que estou também no Twitter com o seguinte nome de utilizador:

agnus_sm

https://twitter.com/agnus_sm

Obrigado a quem me seguir por lá.

quinta-feira, 23 de Maio de 2013

AOS MEUS LEITORES E AOS MEUS AMIGOS

Iniciei hoje uma nova aventura noutro blogue que já exisitia, mas que por motivos vários não era actualizado com a mínima regularidade.

Porque acho que o projecto deste "ÁFRICA MINHA" está esgotado; porque sei que tenho leitores e amigos que mesmo estando este blogue 'parado' há muito tempo aqui vêm visitar-me;

Convido-vos a todos a passar de vez em quando pelo meu novo velho blogue:

O BAÚ DE SALMOURA

link por extenso: http://obau.blogspot.pt/

Um abraço amigo.

quarta-feira, 22 de Maio de 2013

BOM DIA

Acho que me apetece voltar a escrever aqui no blogue. Não que tenha muito de substantivo para dizer, apenas pelo prazer de partilhar o quotidiano (alguns faits divers e pouco mais).

Contar que após tantos séculos de civilização descubro com algum espanto que ainda há quem ache que há cheiros e aromas para mulher e cheiros e aromas para homem. Perfumes para mulher e perfumes para homem - como quem acharia que determinada dor sentida por uma mulher não é dor feminina; ou que determinado champô não é adequado aos cabelos de uma mulher (por ser para homem).

Pobres espíritos que estais tão longe dos valores civilizacionais do presente!

Tenhais vergonha. De achar que tudo o que não cabe nessa dicotomia homem/mulher é torto, errado, inaceitável, condenável, risível, até.

Risíveis sois vós...

Coitados!

sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2013

terça-feira, 31 de Julho de 2012

AI TÃO QUERIDA, TÃO QUERIDA!!!

Chama-se KARINA BOLAÑOS


Com a divulgação deste vídeo, que era para ser confidencial,
perdeu o lugar de vice-ministra da Costa Rica;
o marido deputado meteu baixa médica;
e o amante, que ninguém ainda sabe quem é, deve estar feliz à brava.

segunda-feira, 16 de Julho de 2012

O PARECER DA LUSÓFONA SOBRE RELVAS




«Todo o Parecer é assim, vago e genérico, abstracto e pouco rigoroso, justificando tudo e nada. Podia ser resumido a duas ou três linhas: Relvas é um dos dirigentes em ascensão no PSD, é mação da nossa "obediência", detém um poder considerável em todos os mecanismos-chave da partidocracia, nomeações, facilitações, intermediação, influência, etc., o PSD é um partido do poder portanto é bom para a Lusófona, que é uma universidade privada, "estar de bem com o poder político", ter boas relações com este tipo de pessoas. Ponto. Bastava e era muito mais verdadeiro.»

quinta-feira, 12 de Julho de 2012

O TWITTER


O Twitter é um café cheio de várias mesas, cada uma com muitos lugares sentados. Um tipo tem o direito de se aproximar (“seguir”, “follow”) e ouvir as conversas que se têm em qualquer das mesas, mas para se sentar numa das cadeira e botar faladura que seja ouvida (tuitar para ser lido), tem de obter a anuência (ser “seguido”, “followed”) por pelo menos um dos convidados que o escutará sempre que ele falar (publicar um tuite), mas os outros não o ouvem – só quando alguém anui à presença do tipo (o “segue”) é que esse outro alguém o escuta (vê e lê o seu tuite) quando fala .

As conversas (ou tuites) são publicadas numa compridíssima serpentina que está continuamente a desenrolar-se; daí que o tuitanço é uma actividade que se serve do momento e praticamente só serve no momento – depois de algum tempo o tuite já está em cascos de rolha. No fundo tuitar é quase como estar a falar ou a governar o mundo à mesa do café. Levantando-se e saindo, não se leva nada para casa senão o prazer da conversa – mas algumas alfinetadas a terceiros, lá terão algum efeito. Porque o Twitter contribui muito para a formação da opinião pública e da massa crítica de uma sociedade.

É claro que se um tipo quiser ser metediço, ou atrevido, ou afoito, ou, ou, ou – pode chegar, pôr-se atrás de quem está sentado e dizer-lhe alto qualquer coisa ao ouvido (desde que saiba o nome dessa pessoa). E se falar alto, claro que toda a gente à mesa vai ouvir o que disser. E aí podem ocorrer várias situações: ninguém lhe ligar peva; obter uma resposta condescendente da pessoa a quem se dirigiu; acharem-no interessante e trocarem com ele dois dedos de conversa; acharem que tem qualidades e ou que há algumas afinidades com ele e por isso “seguirem-no”; e noutros casos, acharem que é um chato, um palerma, um “cagóne”, e mandarem-lhe dar uma volta ou mesmo lhe fecharem a porta na cara (“bloqueando-o”).

Passei a privilegiar o Twitter em detrimento do blogue porque gosto da interacção em tempo real com as pessoas e porque descobri que pelo Twitter é mais fácil chegar às pessoas cujas opiniões me interessam ― chegar, falar, trocar opiniões com elas ― do que pela via do blogue ou do correio electrónico. Na actividade no Twitter privilegio os jornalistas e os artistas porque pertencem a dois mundos que sempre me fascinaram e onde felizmente conto amigos e amigas.

(Quem me ensinou a aperfeiçoar a escrita e a fala da Língua Portuguesa foi o saudoso amigo e jornalista Fernando Brederode Santos, falecido há uns anos. Na companhia do Fernando é que me tornei um verdadeiro português por cultura).

Et voilà!

sexta-feira, 6 de Julho de 2012

O QUE É O BOSÃO DE HIGGS?

EIS COMO DEUS SE MANIFESTA

 

O BOSÃO DE HIGGS


OU DEUS (O DE SPINOZA)
CADA VEZ MAIS PERTO DE NÓS

(7º) Estudo ensaístico Sétimo:



(1)           Se transportarmos (presentemente), a nossa atenção sobre a Teoria da raça, LOCKE (nos parece), desfraldar a mesma estratégia de alternância e de alteração recíproca dos regímenes de pensamento.
(2)           Com efeito, a estrutura racista da sociedade americana, como numerosas outras sociedades ocidentais, é (de feito), uma realidade incontornável (que revela), todo (em conjunto), a influência das relações sociais. A tarefa que incumbe (desde então) ao intelectual Negro não  poderia se limitar à denunciar nem à desconstrução do racismo. Trata-se (mais concretamente), de favorecer a evolução das mentalidades e precipitar (destarte), a abolição de certas e determinadas práticas e (ao mesmo tempo), desenvolver uma nova lógica social.
(3)           Eis porque (et pour cause), o primeiro esforço de LOCKE vai consistir (de modo correto, evidentemente), em refutar as concepções dominantes e (designadamente), as diversas teorias racistas que apreendem a raça como uma realidade (fundamentalmente), biológica e que lhe atribuem (aliás), características psicológicas e mentais (resolutamente), fixas e invariáveis. Na verdade, no pensamento do escritor e diplomata francês, Joseph Arthur, conde de GOBINEAU (1816-1882), o Spencerismo social e as outras teorias racistas que dominam na época, no âmbito das Ciências Humanas e da Biblioteca colonial, o pensador Afro-americano pode (facilmente), reconhecer a marca/cunho do regime dominante. Na sua lógica reedificante e na sua obsessão da permanência ou da hierarquia, este último interfere (com efeito), com o regime turbulento e a sua afirmação de um estrito paralelismo entre o corpo e o espírito.
(4)           Perante os preconceitos racistas e pseudo científicos, Antropólogos, como o americano, Franz BOAS (1858-1942), ou o seu discípulo, MELVILLE HERSKOVITS (1895-1963), empreenderam (por certo), desembaraçar o Naturalismo da invariabilidade e da hierarquia dos tipos Humanos (BOAS...). Nesta perspectiva, os utensílios da Antropometria lhes serviam (sobretudo), para demonstrar relevantes mudanças físicas sobrevindas de uma geração à outra entre os imigrantes ou os Negros dos Estados Unidos. No âmbito da estrita lógica do paralelismo, mudanças mentais e desenvolvimentos intelectuais tornavam-se (então), quão possíveis como plausíveis.

terça-feira, 5 de Junho de 2012

(6º) Estudo ensaístico Sexto:


 Ser culto es el único modo de ser libre
José MARTÍ (1853-1895).

(A):

            Na sua vontade de encontrar uma mediação entre a intencionalidade de F. BRENTANO (1838-1917) e o Naturalismo de W. JAMES, o projeto de LOCKE de uma Ciência dos valores, se situa (além disso), na mesma cruzada filosófica que a Fenomenologia de EDMUND HUSSERL (1859-1938) e caminha (entretanto), em sua exata oposição, visto que (ele) rejeita fazer da intencionalidade uma condição (a priori), do saber. De feito, Todos os esforços de HUSSERL, na sua obra: “Filosofia como Ciência rigorosa” (1911), ou “Meditações cartesianas” (1929), se aparenta (com efeito), à uma tentativa desesperada de recuperar (em benefício) do regime dominante, os adquiridos conceptuais do regime turbulento, para os pôr ao crédito do ponto de vista transcendental.

(B):
            A contrapelo (e ao invés), LOCKE escolheu, como o filósofo francês, H. BERGSON (1859-1941), manter a primazia do “fluxo da experiência” do qual procede (em última instância), toda formalização. Para (eles) a dimensão primeira da consciência, é a temporalidade, que sozinha permite uma estruturação da experiência: “Consciência significa (antes de mais) memória”, assevera BERGSON e o que importa, desde então, recuperar/reaver é “duração e a mudança na sua mobilidade original” (...), assim como, as cristalizações da memória, tendo em vista a prática. Donde e daí, a verdadeira Ciência da consciência é (por conseguinte), a teoria dos valores e o verdadeiro problema da Filosofia é o da aquisição do desenvolvimento ou das mutações dos nossos sistemas de valor à partir dos nossos diversos modos de valorização.

(5º) Estudo ensaístico Quinto:


                        Na verdade, se nos afigura relevante consignar, que à semelhança do economista e sociólogo alemão, MAX WEBER (1864-1920) e do filósofo alemão, GEORG SIMMEL (1858-1918) e (outrossim), na filiação do filósofo e psicólogo norte-americano, WILLIAM JAMES (1842-1910), cujo Pragmatismo opunha, em 1907, dois temperamentos filosóficos antitéticos (os “espíritos duros” e os “espíritos moles”), para os reconciliar (em seguida), na sua Filosofia da experiência (1909), DU BOIS e LOCKE foram (rapidamente), tentados superar o tradicional antagonismo das lógicas conceptuais para se situar numa espécie de “entre-dois”. É nesta perspectiva que vamos expor as suas reflexões no atinente às noções de valor, de raça e de cultura.

(A)          De feito, na origem e no antagonismo dos valores, como se fosse, a articulação entre traços culturais e características raciais que constituíam (com efeito), no início do século XX, temas filosóficos maiores. De facto, os pensadores afro-americanos não podiam nisso quedar indiferentes, mesmo se as suas vozes não eram (seguramente), as mais entendidas/ouvidas.
(B)          De anotar (de imediato), que as lúcidas especulações filosóficas de DU BOIS foram reconduzidas e aprofundadas por ALAIN LOCKE, o qual se revelou (além disso), mas perseverante e original que o próprio DU BOIS (concretamente), na sua exploração de uma possível “Ciência dos valores” e (completamente, por consequência), comprometido como (ele), na sua crítica do conceito de raça.
(C)          LOCKE redigiu (com efeito), duas teses de doutoramento (assim como), artigos sobre a teoria dos valores. Produziu (identicamente), durante a sua carreira académica, numerosos ensaios sobre a História e a Sociologia das relações inter-raciais, nos Estados Unidos, como na Europa ou nas Antilhas. Além das suas conferencias de 1915-1916, convém citar, na década de quarenta do século XX, as suas conferencias em Francês sobre o “Papel do Negro na Cultura das Américas” e várias coordenações de obras colectivas (LOCK 1942...). Por causa da sua finesse argumentativa, os seus escritos sobre o valor, a raça e a cultura apresentam (presentemente), ainda um interesse (quão enorme e assaz avisado).

domingo, 3 de Junho de 2012

(4º) Estudo ensaístico Quarto:


Continuação dos Estudos anteriores...


(1)          De feito (et pour cause), DU BOIS, preferindo (ostensivamente), a não-violência, propõe (identicamente), romper com a lógica cumulativa da esquimogénese que (cedo ou tarde), desemboca (necessariamente), em afrontamentos. A diferenciação simétrica, fazendo apenas (com efeito), incrementar a hostilidade recíproca, enquanto a diferenciação complementar acentua sempre o desequilíbrio até à ruína do sistema, em todos os casos. Reclamar-se como (nesse ponto), princípios da Constituição Americana, significa (em contrapartida), formular uma exigência de reciprocidade que DU BOIS termina por justificar, no fim do seu livro, identificando o Povo Negro ao “Dom do espírito”. (...).
(2)          E, transformando todos os inatos atributos do seu Povo, em oferenda e insistindo (designadamente), nesta espiritualidade nutrida dos mais elevados princípios, DU BOIS, nos revela (sem dúvida), concomitantemente, em quê consiste (verdadeiramente), o “espírito do dom”.
(3)          Aqui, neste ponto do nosso Estudo, vale a pena trazer à colação, os doutos ensinamentos do conceituado sociólogo e antropólogo Francês, Marcel MAUSS (1872-1950), considerado como o “pai” da Etnologia francesa. Na verdade, nas suas lúcidas interpretações desta “forma e razão de troca nas sociedades arcaicas”, MAUSS e os seus continuadores insistiram (constantemente), com efeito, numa tripla obrigação. Ou seja: A obrigação de dar implicava a de receber, que implicava a de restituir. De anotar, que estas obrigações são (então) compreendidas, em termos (puramente), pragmáticos. Isto é (elas) permitiriam criar vínculo e evitar as hostilidades, instaurando um contra-dom, diferido e diferente. “Recusar dar, não ter o cuidado de convidar, como recusar aceitar, equivale a declarar a guerra”, consigna (destarte), MAUSS. Já (por seu turno), no âmbito desta problemática, o filósofo francês, Jean-Pierre DUPUY (n-1941), sublinha a ambivalência fundamental de toda reciprocidade-tornada manifesta-segundo (ele), pela raiz escandinava (warre) que serve (ao mesmo tempo), de etimologia à guerra (war) e à espécie/modelo, artigo, mercadoria (ware).
(4)          Eis porque, nos parece (logicamente), que, insistindo no carácter voluntário do “dom negro”, DU BOIS, abre outras perspectivas e nos elucida, como a única lógica da troca assume como alternativa à violência! “A obrigação de dar” não poderia (unicamente), se interpretar como uma atitude interessada. Ela participa (mais amplamente), de uma “política de reconhecimento”.
(5)          Com efeito, quando DU BOIS lembra (com razão), que os Negros se urdiram (eles mesmos), nas malhas da trama da história ocidental, não nos parece, dizer outra coisa. Demais, as pertinentes análises da sua “identidade” esquissadas pelo autor das “Almas do Povo negro”, fazem (por conseguinte) convergir Sociologia, Psiquiatria e Antropologia para pensar as especificidades da condição negra, porém (elas), nos oferecem (simultaneamente), um novo quadro teórico e prático para compreender e superar os principais efeitos da dominação social e simbólica.

Lisboa, 02 Junho 2012
KWAME KONDÉ
(Intelectual/Internacionalista --- Cidadão do Mundo).

(3º) Estudo ensaístico Terceiro:


 Continuação...

(I):
            Na verdade (et pour cause), DU BOIS sabe, além disso, se mostrar pioneiro, em matéria psiquiátrica. Eis (com efeito), como (ele) descreve, um pouco, mais adiante, o “Desvio do homem negro entre fins contraditórios”. Atentemos (então), no acutilante conteúdo de verdade do extracto seguinte:

                        “O artesão negro está dilacerado por esta alternativa-por
                        um lado, escapar ao desprezo que têm os Brancos para
                        uma nação de simples lenhadores e pulsadores, por outro,
                        lavrar, pregar e cavar para uma horda miserável. E a sua
                        luta só pode terminar num único resultado: Fazer dele um
                        operário pobre, visto que ele apenas coloca metade de
                        coração em cada uma das causas. (...) O pretenso sábio
                        negro era confrontado com o paradoxo seguinte: O
                        conhecimento do qual o seu povo tinha necessidade era só
                        contos e lendas para os seus vizinhos Brancos, enquanto o
                        conhecimento ensinado pelo mundo branco era o hebreu
                        para os da sua carne e do seu sangue. O amor inato da
                        beleza e da harmonia que carreia as almas do seu povo,
                        mesmo as mais grosseiras, à dançar e à cantar, apenas
                        suscitava dúvida e confusão na alma do artista negro. De
                        feito, a beleza que lhe era revelada era a beleza espiritual
                        de uma raça, que o seu público mais vasto desprezava,
                        porém lhe era impossível formular mensagem de um outro
                        povo. Dezenas de milhares de pessoas esgotaram-se nesta
                        contradição, no esforço para satisfazer ao mesmo tempo,
                        dois ideais irreconciliáveis-esgotamento que causou tristes
                        devastações na sua coragem e na sua fé, que os enviou
                        adorar falsos deuses e invocar vias de saudação
                        perniciosas e que, por vezes, pareceu mesmo sobre a ponte
                        de lhes fazer vergonha de elas mesmas”. (DU BOIS).

(II):
            Pode-se, lendo estas linhas, descobrir numerosos pontos comuns com a situação do double blind (ou “duplo vínculo”), “duplo constrangimento” -tal como o teorizou o antropólogo inglês, GREGORY BATESON (1904-1980), autor, aliás, da “Teoria do double blind”, na década de 1950. Seja qual for, o seu estatuto sócio económico, o indivíduo Negro americano se encontra (com efeito), segundo DU BOIS submetido à injunções contraditórias e se encontra (destarte), apanhado na ratoeira de diversos duplos vínculos”, que se poderia resumir, no seguinte modelo. Ou seja.

quarta-feira, 16 de Maio de 2012

OBRIGADO @radarSAPO

O "Radar" do SAPO contemplou um dos meus tuites de hoje com um destaque na sua página:


Hugo, um licenciado, à saída de um Centro de Emprego: «A sugestão que me deram é que não seja piegas, que emigre» - Antena 1, agora mesmo.»
@anus_sm
in Twitter

(2) Estudo ensaístico Segundo


(2) Estudo ensaístico Segundo

Continuação do Estudo Primeiro...


                                                    (7) Com efeito (et pour cause), as críticas do Renascimento de Harlem” colocaram (frequentemente), em relevo, a influência profunda que exerceu WILLIAM JAMES sobre DU BOIS e LOCKE. Em contrapartida, o impacto que tiveram alguns pensadores europeus sobre as suas reflexões e os seus escritos permanecem (relativamente), menosprezados. Muito mais ainda, enquanto se ouve mesmo sublinhar os seus pontos comuns, se deixa de lado, a forma em que (eles) inflectiram e vincularam (em conjunto), conceitos e disciplinas.
                                                    (8) Explicitando (adequadamente), o arrazoado, acima avançado, temos (então) que:
                                                            --- Vamos principiar esta nossa elocubração, estudando a célebre abertura das Almas do Povo Negro” (1903), obra, em que, DU BOIS define a sua identidade, como “Uma dupla consciência”. Atentemos no seguinte extracto:
                                                            “Entre o outro mundo e eu se insurge perpetuamente uma questão formulada. (...) “Que efeito isto faz ser um problema?”(...) Ser um problema é uma experiência singular-singular mesmo para alguém que jamais foi nada de outro, salvo talvez quando era muito novo, ou quando ele se encontrava na Europa. Foi muito cedo, nos primeiros dias de uma infância à alegria exuberante, que tive a revelação fulgurante. (...) Então me apareceu com uma repentina certeza que eu era diferente dos outros, ou como eles, talvez, no meu coração, na minha vida e nos meus desejos, mas cortado do mundo deles por um imenso véu. (...) O Negro nasceu com um véu e dotado de dupla visão neste mundo americano-um mundo que não lhe concede nenhuma verdadeira consciência de si, mas que, pelo contrário, só o deixa apreender através da revelação do outro mundo. É uma sensação singular, esta consciência desdobrada, este sentimento de constantemente se observar pelos olhos de um outro, medir a sua alma pela vara de um mundo que nos considera como um espetáculo, como um divertimento colorido de piedade desdenhosa. Cada um sente constantemente a sua natureza dupla-um Americano, um Negro; duas almas, dois pensamentos, duas lutas inconciliáveis, dois ideais em guerra num único corpo, que só a sua força inabalável previne rompimento. A história do Negro Americano é a história desta luta-desta aspiração à ser um homem consciente de si mesmo, desta vontade de fundir o seu eu duplo num único eu melhor e mais verdadeiro”. (DU BOIS).

E QUE TAL...

...Uma aulinha de economia
para todos os Cantigas Esteves, Joões Duques
e Medinas Carreiras deste país!?

IMPRÓPRIO PARA PESSOAS SENSÍVEIS

Efeitos da droga 'Krokodile' mostrados em vídeo:

IMPRÓPRIO PARA PESSOAS SENSÍVEIS


(Nota: O uso desta droga de fabrico caseiro provoca a morte no espaço máximo de dois anos)

terça-feira, 15 de Maio de 2012

(1º) Estudo ensaístico Primeiro:


 Ser culto es el único modo de ser libre
José MARTÍ (1853-1895).

Africa aliquid semper novi
Plínio, O Velho (23-79)

São as pessoas que fazem o Mundo;
O mato possui feridas e cicatrizes
Provérbio do MALAWI.
  
Tem estes Estudos ensaísticos, o desígnio de relevar
               O Magistério de Figuras ilustres da nossa Galeria (pessoal),
Figuras que “Por obras valorosas da morte
se libertaram” (...)
  
NP:
            Com efeito (et pour cause), “Se a relação e a razão coloniais puderam determinar certas ideologias Africanas, tais como o Pan-africanismo, a Negritude ou o Afro-centrismo, os Africanos e os seus descendentes das Antilhas ou da América contribuíram (em compensação), amplamente para a história intelectual e política do Ocidente”. Este reconhecimento revela-se central para superar as heranças da história colonial e para tentar construir uma universalidade concreta, pós-racial e pós-colonial.
            É este devir que nos move, nestes Estudos, apresentando o nobre Magistério das proeminentes figuras do Pensamento Negro, que vamos estudar, neste conjunto de Peças ensaísticas. 
(I)
            No início do Século XX (pretérito), a interdisciplinaridade preocupava (pouco ou quase nada), os universitários dos Estados Unidos, enquanto a Sociedade americana (maioritariamente), não imagina outro futuro que a segregação, no âmbito “das relações raciais”.
            Todavia, novos projetos sociais, culturais (se elaboravam na sombra), se apoiando (audaciosamente), em pesquisas que desembaraçavam de barreiras os saberes. Esta promissora iniciativa vinha de “Intelectuais Negros”, que, se definindo (explicitamente), como tais, assumiam doravante, a sua situação no género de um paradoxismo: “Americanos e Negros, Intelectuais e Negros” (orgulhosos desta dupla pertença), movidos por profundas exigências de rigor e de universalidade, porém, enérgicos (identicamente), de singulares heranças, transmitidas sem testamento, vencidos de uma espoliação.
            Entre eles, duas brilhantes figuras (dentro de pouco tempo), são chamados à servir de proa. Estamos, a referir (concretamente), a:
            --- WILLIAM EDWARD BURGHARDT DU BOIS (1868-1963, futuro pai do Pan-Africanismo) e de ALAIN LEROY LOCKE (1885-1954, futuro mentor do Renascimento de Harlem).

Posto isto, vamos (então), dar início, ao Estudo destes “Dois percursos excepcionais”.

segunda-feira, 14 de Maio de 2012

(LXVI) Alors que faire?


             Prática de ACTUAÇÃO SEXAGÉSIMA SEXTA:

Ser culto es el único modo de ser libre
José MARTÍ (1853-1895).

Continuação da Posta anterior...

(1)           Em relação às sociedades definidas na segunda metade do século XIX, enquanto “tradicionais”, o capitalismo se apresenta como libertador. Ou seja: Como favorável ao cumprimento das promessas de autonomia e de autorrealizações nas quais as Luzes reconheceram exigências éticas fundamentais), fundamentalmente sob duas conexões (que derivam identicamente), da primazia acordada ao mercado. Ou seja: A possibilidade de escolher o seu estado social (profissão/ofício, lugar e modo de vida, relações, etc.), assim como bens e os serviços praticados/exercidos ou comuns.
(2)           O alargamento das possibilidades formais de escolher o seu modo de pertença social, redefinido (fundamentalmente), por referência ao local/lugar de habitação e à profissão exercida (em vez de estar vinculado pelo nascimento, à uma localidade e à um Estado), foi bem um atrativo do primeiro capitalismo.
(3)           Tendo em conta, a importância da família nas sociedades tradicionais, esta forma de libertação se apresenta (antes de mais), como uma alforria/libertação do peso dos vínculos domésticos. Ela se encontra resumida na oposição às sociedades do “estatuto” e do “contrato”. Por oposição às sociedades nas quais as pessoas estão obrigadas à um estatuto que lhes não é (praticamente), possível modificar, no decurso da sua vida e existência (em todo o caso), sem mudar de localidade, o que lhes é difícil, tendo em conta, que todo o valor que lhes é acordado e  a sua identidade dependem dos enraizamentos locais (o capitalismo é suposto oferecer a possibilidade de um desenraizamento voluntário e protegido pela relevância que ele acorda ao dispositivo jurídico do contrato).