sábado, 30 de outubro de 2010

E AGORA É A VEZ DE...

Joana Amaral Dias

BOM DIA!

PARABÉNS “EL PIBE”


O Indiscutivelmente melhor futebolista de todos os tempos:
Diego Armando Maradona (El Pibe de Oro).
Faz hoje 50 anos.

É o único futebolista, de que se recorda, que sozinho era uma equipa.

Ele foi o Nápoles duas vezes campeão de Itália na década de 80*.
Ele foi a Argentina Campeã do mundo em 1986.

Hoje, no dia do aniversário de Maradona, nem sequer me recordo do nome do outro; daquele que comprou nas secretarias das máfias do futebol mundial o título que todos nós (aficionados que vimos jogar aos dois astros) nunca hesitámos em atribuir a El Pibe.

Parabéns Maradona!

(*) As duas únicas vezes que a até então modesta equipa do Nápoles foi campeã de Itália.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

FIM AO MITO DO “MEDO”

VENHA JÁ O FMI

Das duas vezes que O Fundo Monetário Internacional veio a Portugal, depois do 25 de Abril, muita coisa e muito desmando foi corrigido no funcionamento da máquina do Estado.

Todos aqueles que têm aparecido estes dias a meter medo à população portuguesa com a vinda do FMI, têm-no feito porque sabem que o FMI representa o fim do festim em que se têm banqueteado com total desprezo pelos contribuintes e eleitores.

Da minha parte estou pronto a pagar a minha quota com os apertos e os sacrifícios que forem exigidos; sabendo contudo que o FMI obrigará qualquer Governo a ter de:

1 - Acabar com O regabofe dos bancos os quais comem a maior fatia dos empréstimos externos através da sua actividade prestamista (desde logo prestamista do próprio Estado) e comem boa parte da pouca riqueza que os portugueses geram, através de juros altíssimos escandalosos quando emprestam a particulares, mas servem sobretudo para financiar operações financeiras especulativas de curto e chorudos retornos. Isto para não falar das negociatas dos amigos, apoiadas à socapa. Aliás, os bancos são quem mais teme a vinda do FMI; até porque já ouviram António Borges, o novo Presidente do FMI para a Europa, dizer clarinho, clarinho, que «O principal responsável por esta crise é a banca portuguesa».

2 - Acabar com os sorvedouros dos dinheiros públicos, como são:
Os Institutos públicos,
As empresas públicas participadas (EPP),
As Entidades Públicas Empresariais (EPE),
As Parcerias Público-privadas (PPP),
As consultorias  milionárias das sociedades de advogados amigas do governo,
A central de comunicação, espionagem, propaganda e contra-informação do governo;
Isso e mais uns quantos organismos Públicos onde se acoitam os boys, os parasitas políticos, os desempregados partidários, os bufos, os incapazes e os serventuários menores dos partidos do poder.

Tudo isto foi criado e é mantido à custa do dinheiro dos impostos dos contribuintes. Criado e mantido para alimentar vários canalhas e muitos sacanas.

Até muitos dos chamados “comentadores”, “analistas”, “politólogos”, "especialistas em economia", etc., embora traçando cenários catastrofistas sobre a economia portuguesa, abominam, contudo, a vinda do FMI, pois, entre outras coisas sabem que com isso terão que pagar mais impostos. É que a “fuga legal” ao pagamento de uma boa parte dos impostos, que praticam declarando à colecta certos  rendimentos como “rendimentos resultantes de trabalho intelectual” (um eufemismo que nada quer dizer e só serve para fugirem a pagar parte das suas obrigações fiscais: o IRS sobre alguns dos seus rendimentos do trabalho), terá os seus dias contados com a vinda do FMI.

Como pode um indivíduo desses, intitulando-se “trabalhador intelectual", pagar menos impostos que qualquer outro trabalhador se se não conhece um único trabalho humano que não envolva o intelecto das pessoas ― seja essa pessoa um médico ou um simples trabalhador agrícola! ―. Onde pára a honestidade dos "intelectuais" deste país?

Esta é a parte visível do iceberg constituído pelo “MEDO DO FMI” propalado aos quatro ventos pelos interessados na manutenção do estado actual das coisas (os mamadores do regime), os quais já quase fizeram, com o Orçamento que querem aprovar a toda a pressa, a cama aos mais fracos e aos mais necessitados para poderem manter para si, por mais algum tempo, as fontes públicas de rendimentos donde sempre sugaram e sugam quem trabalha e ainda produz alguma coisa neste Portugal de fim de regime.

Chumbe-se o Orçamento! Já!

Noto com satisfação: Mesmo que o Orçamento não seja chumbado, felizmente que a incompetência reinante acabará por, a breve trecho (uns meses apenas), determinar a vinda do FMI.

BOLAS PARA ISTO

Já estou mais que baralhado; já admito tudo e o seu contrário. E se se trata da PSP, então ― por aquilo que transpira de certas notícias ―, já não se sabe bem quem é o malfeitor e quem é que cumpre um dever social.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

CLAUSTROFOBIA

Dentro de poucos dias vou para a minha ilha. E deixo-vos isolados aqui no continente.

Para AMantes

«Presunçosa, tu nada sabes do amor. Não sabes sofrer nem preservar. Porque ao menor contacto com a chama, foges. Eu fico, para por ela ser consumido. Se o fogo do amor te queima um pouco a asa, olha, ousa ao menos nele arder inteiro!»

(Lido hoje no Acto Falhado de Rita Ferro)

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

GOSTARIA DE TER ESCRITO ISTO:

«Esta proposta de Orçamento de Estado para 2011 é semelhante a estranhezas como exames por fax e ao Domingo. Este governo não quer resolver os problemas do país mas sim os problemas da sua máquina tentacular espalhada pelo aparelho do Estado. Este governo não quer acabar com o verdadeiro regabofe das parcerias público-privadas preferindo, antes, castigar os contribuintes. Este governo confunde o Estado com o partido e confundo os negócios de estado com as negociatas privadas confundindo, igualmente, o Ministério das Obras Públicas com o Departamento de Obras Públicas de uma qualquer empresa privada com administrador do tipo “quem se mete com o PS leva”.»

Peça Ensaística Quinquagésima Sétima, no âmbito de

Na Peugada de NOVOS RUMOS:

Um breve apontamento acerca da Nova Filosofia do Ambiente:


Ser culto es el único modo de ser libre
José MARTÍ (1853-1895).


Uma  necesaria  Nota proemial:

            --- A urbanização planetária pela obra transforma profundamente as conexões dos homens com a Natureza: ela chega a cercar o ambiente, com as suas auto-estradas, os seus centros comerciais, o seu habitat esparso, os seus parques de lazeres, etc. Evidentemente, permanecem florestas, montanhas elevadas, parques naturais, campos cultivados. Todavia, estes espaços não são, praticamente poupados, visto que se tornaram destinos turísticos, investimentos imobiliários, dependências urbanas e por vezes lixeiras
            --- A constituição de vários “meios urbanos”, desarrumam as antigas relações Cidade/Campo e Humano/Natureza e impõe uma “paragem”no âmbito da Filosofia do Ambiente afim de avaliar a sua dimensão e analisá-la.
(…)

UMA EXPLICAÇÃO AOS LEITORES

Retiro agora a fotografia do condenado, Carlos Cruz, que esteve quase um mês na barra direita deste blogue porque o que pretendi foi apenas e só tomar uma posição explícita sobre o que penso da sua condenação como pedófilo, pelo tribunal de primeira instância, dizendo: "Não Acredito Nele" (Carlos Cruz).

Retiro a fotografia porque não pretendia nem pretendo fazer campanha contra o cidadão condenado; mas apenas pretendi dar-lhe uma lição abominando a sua (dele) campanha contra a Justiça e os tribunais; mas sobretudo o que eu quis foi abominar aquela obscenidade de andar a dizer que os depoimentos das vítimas foram uma orquestração e peça de uma cabala.

Que fique bem claro: não recebi qualquer ameaça, pressão ou pedido, fosse de quem fosse, para retirar a fotografia. Se qualquer uma dessas coisas tivesse acontecido, denunciá-la-ia e manteria a fotografia onde estava.

É que aqui mora um homem do Fogo!

DA BARBÁRIE

A Wikileaks divulgou no passado dia 22 do corrente mês 39.832 documentos secretos sobre a “Guerra do Iraque”. Dentre esses documentos, consta este vídeo que ofereço principalmente a Pacheco Pereira, Durão Barroso e José Manuel Fernandes (ex-director do jornal PUBLICO).


Mas este vídeo destina-se também a todos nós pois deveremos meditar bastante sobre a violência (muitas vezes gratuita e animalesca) existente nos palcos de guerra ― e sobretudo no palco das mal denominadas “guerras”, como se apelidou a invasão e ocupação do Iraque pelos americanos e ingleses, por exemplo.

Eu sei que para se ser justo se deve também publicar as atrocidades cometidas do outro lado da barricada (mas não disponho de material para o fazer) pois ninguém fica ilibado do cometimento de atrocidades sobre o “inimigo”. E sobre isso quero dizer que não condeno os americanos absolvendo os islamitas: condeno a ambos. Mas condeno em primeiro lugar a invasão estúpida, “bushiana” do Iraque por parte dos criacionistas americanos, ao tempo no poder na América.



Tenho comigo o vídeo da decapitação deste jornalista americano, Daniel Perl, raptado e morto no Paquistão por um grupo de homens fardados da Al Qaeda ― constituindo esse vídeo, quanto a mim, a cena mais horrorosa e chocante até hoje vista pelos meus olhos. Dou graças a Deus ter podido ver e ter este vídeo para o resto da minha vida pelo que me ensinou e ensina de cada (rara) vez que o revejo por qualquer motivo que me leve a pensar sobre o Homem e sobre a natureza humana.

E só não publico esse vídeo porque o mesmo foi quase imediatamente retirado da Net, logo a seguir à sua publicação ― ao que constou a pedido da família de Daniel Pearl.

Esse vídeo foi “substituído” por este logo aqui em baixo cuja explicitude se aproxima da verdade, mas fica a milhas do horror expresso no vídeo verdadeiro.


Desejo que o seja, mas hoje não digo BOM DIA.

sábado, 23 de outubro de 2010

A DIGNIDADE EM DIRECTO

O jornalista brasileiro, Paulo Beringhs, mostra aos recadeiros políticos e moços de fretes que sob a capa de "jornalista" servem o poder em Portugal, que vai uma grande diferença entre um homem digno e um cagameco.

Mas os cagamecos não vão aprender nada com isto.

BOM DIA! Mais uma vez.

OLÁ PESSOAL! BOM DIA!

JoanaAmaral Dias

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

A VIDA NAS CAVERNAS

Não me arrependo do meu passado na UEC (União dos Estudantes Comunistas), organização do PCP para a juventude, e das actividades que nela desempenhei como militante político até cinco meses depois do 25 de Abril de 1974.

Mas quando leio, hoje, em pleno século XXI, coisas destas, sinto-me triste e angustiado; mas também revoltado contra o grupo de pessoas que hoje manda no PCP.

Escreve Albano Nunes no Avante, órgão oficial do PCP:


Concordamos no económico e discordamos no resto. E se perguntarmos pelas “Amplas Liberdades” de que o PCP tem a patente registada ― então disso nem queiram saber a resposta...!

POLVO À PARTIDO SOCIALISTA

Eu bem falei em salsichas no Guia do Cidadão Pró Activo.

BOM DIA!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

ESPATIFANÇO À VISTA


E não está a ver que Durão mandou construir uma parede na arriba da Nazaré.

Chame-se já o INEM. Prepare-se o bloco operatório e os cuidados intensivos. E pelo sim pelo não, contacte-se uma funerária.

Agora falemos de coisas sérias. Acham que dá credibilidade a quem quer ser ministro das finanças andar com “bocas” e recadinhos destes?!...

Imaturidade! É o mínimo que se pode dizer disto.

MAS QUE POUCA VERGONHA...!

Cheguei aqui via 31 da Armada

JORNALISMO DE MERDA

Notícia provavelmente encomendada ao jornal do amigo Joaquim ou então da autoria espontânea de qualquer “jornalista” de vão-de-escada cumprindo mais um “servicinho” ao PS:


O f.d.p. não diz, não informa, manipula, goza connosco, sente-se impune com esta meia mentira e não diz aquilo que é importante e que felizmente toda agente já ouviu e já percebeu:

Que o PSD propõe ir buscar ao corte na despesa os mil milhões de euros que o governo quer vir buscar aos nossos bolsos.

Que o governo, por sua parte, prefere não mexer na despesa e prefere meter-nos as mãos nos bolsos para continuar com dinheiro disponível para engordar os seus boys, amigos e comparsas de negócios.

BOM DIA, À MESMA!

Segunda Parte da Peça Quinquagésima Sexta:

Ser culto es el único modo de ser libre
José MARTÍ (1853-1895).


            E, em complemento oportuno e necessário, vamos abordar os Traços estruturais que especificam a Excepção Sueca, designadamente:
            --- A estabilidade do capital das empresas;
            --- A responsabilidade dos emprestadores;
            --- A autonomia da política monetária.

(A)     As Empresas Suecas dispõem da estabilidade do capital, o que constitui um factor de superioridade estratégica para os seus beneficiários. Procurada pela importância maciça do grupo de accionistas familiar e o compromisso das Instituições financeiras, ela desbloqueia o horizonte dos dirigentes de empresas que possuem, deste modo, a faculdade de programar projectos eventualmente promissores, todavia, mais dispendiosos e de associar a isso o seu pessoal técnico e comercial, sem exercer uma pressão constante sobre os corpos e os espíritos deste pessoal.
(B)     Os economistas europeus (vinculados, ortodoxamente às ideias de Bruxelas) não viram ou, tão pouco, quiseram ver que os emprestadores suecos conservavam as suas responsabilidades de emprestadores, evitando praticar a desintermediação e a intitulação. Singularidade suplementar da Suécia que permaneceu na sombra até que ela se revela aos olhos de todos (sem se esconder). As autoridades suecas se regozijaram então publicamente do seu país ter permanecido ao abrigo da borrasca que tinha abanado os outros mercados ocidentais do crédito, infectados pelas crenças suspeitas e duvidosas oriundas do mercado hipotecário norte-americano. Eis porque, no âmbito desta dinâmica, o Governador adjunto do Banco Central da Suécia emitiu a seguinte observação: “Como as nossas instituições financeiras só colocaram no mercado um montante não significativo dos empréstimos nas suas contas, elas não viram subir para (elas) estes créditos desvalorizados que criaram as dificuldades que conheceram outros países”.
(C)     Porém, por consequência e, enfim, a Suécia repudiou a moeda comum europeia. O Povo sueco não viu a necessidade de se incorporar no magma monetário criado à instigação e incitação da França, angustiada pela perspectiva fantasmagórica de uma Alemanha cuja reunificação devia se tornar super-potente (leia-se, outrossim, muito poderosa). Se revela, presentemente beneficiar da sua excentricidade. O Banco Central da Suécia, tendo conservado a responsabilidade da política monetária, pôde modular este instrumento fundamental de política económica, em função dos parâmetros da economia Sueca, enquanto o “grande” BCE jamais soube que atitude adoptar face à heterogeneidade crescente das economias membros, ilustrada, deplorável e lastimavelmente pelo sub consumo (italiano e germânico), por um lado e as bulas imobiliárias (espanhola e irlandesa), por outro.
(D)     Enfim e, em suma:
a.     O elevado grau de internacionalização das suas empresas (as mais importantes, diga-se de passagem), não impede a Suécia de manter uma rota monetária que lhe é própria.
b.    A exiguidade do território e a débil população não constituem obstáculo (antes pelo contrário) parece, na manutenção da soberania nacional, num domínio crucial para o mercado geral da Economia.
c.     Finalmente, por seu turno, o Banco Central de Estocolmo, o mais antigo do Mundo pôde conservar um poder que serve os interesses do conjunto dos agentes económicos locais. Com efeito (facto que vale a pena sublinhar, com ênfase), esta derradeira bússola da excepção Sueca completa a lição que ela oferece, ao invés do breviário económico e financeiro em uso nos recintos de Bruxelas.


Lisboa, 20 Outubro 2010
KWAME KONDÉ
(Intelectual/Internacionalista --- Cidadão do Mundo).

terça-feira, 19 de outubro de 2010

De DURÃO para Durão

Hnnnnn!...

Se calhar ele não tem só o rei e a rainha na barriga... Deve ter lá, mas é a realeza toda!

Contudo, com esta postura e palavreado, aposto que não vai longe na política.

É aproveitar agora que a imprensa e a televisão estão pródigas, para aparecer e fazer-se ouvir, porque o futuro candidato presidencial, Durão Barroso, não lhe vai facilitar a vida daqui para a frente.

Vai uma aposta?

JÁ ESTÁ – PARTO SEM DOR

Acabei de regressar da minha aventura no Metro; custou um pouco mais do que o previsto ―  €1,70 em vez de €1,45.

Mas por mais €2,00 tive direito a um saquinho com uma dúzia de castanhas assadas bem quentinhas.

Achei tudo muito barato. Penso que assim o governo não vai sobreviver. É preciso aumentar e muito o preço dos transportes: uma ida e volta de Metro, mesmo dentro de uma zona só, devia custar p’raí cinco euros ou mesmo mais.

Aquele dos comboios... ai...!  Aquele da “praia de Madrid” ― devia ir já a correr rectificar o Orçamento aumentando o preço dos transportes melhorando assim as receitas do Estado, até para cumprir aquela máxima de Almeida Santos: «O povo tem que sofrer as crises como o governo as sofre»

É que assim não vai dar ― está tudo muito barato e as pessoas  vão ficar com o dinheiro todo em casa, o que é muito perigoso!

Não pode ser ― tem que se tirar mais dinheiro às pessoas!

DE LEITE(S)

Este anda com o rei e a rainha na barriga. Lá saberá por que razão.

Talvez lhe baste aparecer na TV botando faladura, de fato cinzento e barriga proeminente para se sentir feliz e poderoso.

“A cada um segundo as sua necessidades” ― quem é que disse isto?

É ASSIM QUE SE COMEÇA

Seguindo as sugestões do Guia do Cidadão Pró Activo vou daqui a pouco inaugurar as viagens nos transportes públicos: vou andar de Metro.

Já fiz as contas ― vou gastar €1,45 em vez de gastar 8 a 10 em combustível e sobretudo em parques de estacionamento.

Com a vantagem ainda de poder ler um bocadinho enquanto sou transportado.

Pensamento positivo: Nada mau, não é!?
Realismo: de carro talvez fosse mais cómodo...!

(Ai esta cabeça burguesa do caraças!!!)

NENHUM PRECONCEITO APENAS INDIGNAÇÃO

O autor e dinamizador da página do facebook, intitulada “Não Acreditamos Nele”, criou este mês um blogue com o mesmo nome e a mesma intenção daquela página cuja, como noticiámos em tempo, “desapareceu” do facebook após os seus aderentes terem em poucos dias ultrapassado em número os apoiantes de Carlos Cruz cuja página há mais de três meses tentava ganhar apoios que servissem de respaldo à campanha de Cruz contra a decisão do tribunal de primeira instância que o condenou a pena de prisão efectiva por crime de pedofilia.

Trazemos aqui e agora esta notícia, e com isto abordamos pela segunda vez apenas o Processo Casa Pia, pela única razão de nos ter indignado profundamente o facto de o dinheiro das nossas contribuições e dos nossos impostos, que paga o funcionamento da RTP, ter sido muitíssimo mal gasto ao proporcionar horários nobres a Carlos Cruz para atacar os juízes e a Justiça, vilipendiar vítimas de abusos sexuais, que eram menores na altura dos abusos e que apresentam ainda hoje sinais e sequelas físicas e mentais desses crimes, crimes que em matéria de facto o tribunal de primeira instância deu como provados (ler as páginas 151, §106 e seguintes do acórdão produzido pelo tribunal e aqui oficialmente publicado).

Nada nos move contra Carlos Cruz senão o facto de, à custa do nosso dinheiro, ter entrado em nossa casa, em horários nobres da TV pública, tentando manipular grosseiramente a nossa opinião sobre a sua condenação por crime de pedofilia.

Foi Carlos Cruz quem nos obrigou a vir falar da sua condenação. Tivesse agido de outra forma e por meios próprios ou privados ― nada diríamos sobre a sua vida e o seu destino. Como, aliás, nada dissemos contra os restantes condenados no mesmo processo.

O que andaram ou não andaram a fazer com os miúdos da Casa Pia, é lá com eles e com a Justiça. Mas se nos quiserem meter ao barulho, então terão que nos ouvir também.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

UM DILEMA COM SOLUÇÃO

É claríssimo que a governação do PS socrático é e será algo trágico para Portugal. Governar Contra nunca trouxe bons resultados. E governar contra e com mentiras, pior é e será. E esta coisa já dura vai para 8 anos...

É também claro que hoje a política está completamente ao serviço da alta finança e não ao serviço das pessoas, dos povos, das nações.

Eu acredito inteiramente no que dizem os juízes; mas será que os juízes, dizendo isto assim tão publicamente e separado de alguma acção, estarão no caminho certo na luta contra os políticos? Porque é disso que se trata: muitos governos por este planeta fora estão a tornar-se verdadeiros inimigos públicos. E será que chegarão apenas as palavras  para efectivar o combate que se impõe?

Fica a pergunta.

E ouso dizer aos juízes: reparem como os médicos têm resolvido os seus problemas profissionais e laborais, e o seus diferendos com os políticos, quanto à política de Saúde e quanto às investidas contra a classe médica, por parte de diferentes governos, diz respeito:

Muito com acções. E pouco com palavras. Uma espécie de política de terra queimada.

Os médicos, distraidamente acreditando em governos para o povo (que é como quem diz, governos que governam pelo e para o interesse nacional), conceberam que era possível trazer a classe política à razão através do diálogo; depois, quando perceberam que quem governa totalmente a política, sobretudo nesta última década, são os banqueiros e os financeiros, para quem interessa muito pouco a sorte da maralha estupidificada que trabalha, aí fizeram o que é mais inteligente  "aliaram-se" aos banqueiros e financeiros e deixaram os políticos a falar sozinhos em pleno deserto do SNS e a fazer os trabalhos que lhes foram encomendados. Assim como assim, estes não são mais que testas de ferro e moços de recados dos financeiros. Não são gente que se recomende ou com quem se possa conviver. Pode dizer-se que foi um acto ignóbil, o dos médicos; mas estaremos porventura num mundo de santinhos...?

Agora é a vez de outros agirem. E tenho a esperança de que um dia o povão "falará".

Pois então...!

HOJE O DIA COMEÇA CEDO


A bonita intenção de tornar o Direito acessível a toda a gente anima o anexo de uma recente resolução do Conselho de Ministros fixando as "regras de legística" a que, a partir de 2012, obedecerá a "elaboração de actos normativos pelo XVII Governo Constitucional".

A ideia de pôr o Direito (e tudo em geral) ao alcance de todos começou com as licenciaturas à bolonhesa, movidas pelo louvável e democrático propósito de proporcionar a todos os "falantes escolarizados" um curso superior, sem discriminações fundadas na raça, no sexo ou nos conhecimentos científicos. Agora pretende-se que o legislador use frases "simples, claras e concisas", em artigos de apenas um período e verbos no presente e na voz activa, evitando complexidades inúteis como pontos e vírgulas e "terminologia técnica", como se os leitores do "Diário da República" fossem muito burros (meu Deus, e se calhar são) ou juristas pós-Bolonha.

Mas o Maligno jurídico está sempre à espreita. No caso, fez com que a "fatwa" contra a complexidade e a "terminologia técnica" tropeçasse desastradamente nos próprios pés e se precipitasse, também ela, nos pecados abissais das palavras e frases "complexas e obscuras", semeando as pobres "regras de legística" de coisas incompreensíveis como "proémios", "acrónimos" e "menções formulatórias" e de conceitos misteriosos como "repristinação" ou "vacatio legis". Já não se pode ser bem intencionado.

[Manuel António Pina – Jornal de Notícias, 18/10/2010]

BOM DIA!

Nota:Destaques no texto de minha autoria e responsabilidade.

domingo, 17 de outubro de 2010

DO NAZISMO À DEMOCRACIA

É preocupante que em tão pouco tempo a Alemanha tenha conseguido, através do controlo da economia dos 27, aquilo que não conseguira com os fornos crematórios e as tentativas de subjugação da Europa pelo nazismo.

Ainda se ficassem só pela economia... vá que não vá!

AI POVO, POVO...

QUE ÉS LEVADO PELO RIO.


E eu agarro-me a essa esperança ténue. Veremos no que dará.

UMA BANDA DO SÉCULO XXII


Usando apenas iPhones.

BOM DIA!

sábado, 16 de outubro de 2010

OS GRANDES EDUCADORES SÃO ASSIM

Este não é o único ex-maoista que se esqueceu do seu passado.

Fala em “eles” excluindo-se com a maior desfaçatez de uma realidade a que pertenceu e ajudou a criar: a facção maoista da esquerda dos anos 70 (que deixou resquícios indeléveis no mundo político português actual).

Atendendo ao que diz e escreve, sabemos que ele considera-se o único ser perfeito do planeta.

Eu também vou deixar crescer a barriga a ver se chego à perfeição.

NÃO ME ESQUEÇO NÃO

Joana Amaral Dias

OLÁ, JOANA! BOM DIA!

DEVIA ESTAR CALADA


Para já, Ana Jorge está a meter-se onde não lhe compete. Devia preocupar-se é com o Ministério da Saúde cuja política errada, errática e desconchavada já escavacou completamente o Serviço Nacional de Saúde.

 A esperança de vida de um trabalhador é apenas um entre muitos parâmetros a considerar para se decidir da idade da reforma. Os outros parâmetros competem aos ministérios do trabalho, da economia, das finanças e às confederações dos trabalhadores e dos empresários. Estes outros parâmetros têm a ver com as condições e o tipo de trabalho, os seus riscos para a saúde e para a vida do trabalhador, o tipo de assistência dispensada ao trabalhador, tanto no activo como depois de reformado, etc.

Ana Jorge, disso perceberá tanto como eu percebo de lagares de azeite. Devia estar calada.

Se calhar pensa (não pensa, tem uma vaga ideia) que toda a gente que trabalha anda como ela andava, de estetoscópio ao pescoço, a auscultar os pulmões e o coração de criancinhas, de manhã à noite. Se assim fosse, de certeza que os trabalhadores não se importariam que a idade da reforma subisse para os 80 anos.

Com governantes destes não há PEC nem Orçamento que endireite Portugal.

Olhem que ele há cada uma...!

Um tipo prepara-se para pagar mais impostos e receia continuar a ser esmifrado pela incompetência dos governos do centrão ― vénia aqui ao prof. Maltez ― e ainda por cima vê-se seringado com disparates, até ao fim-de-semana em que deviam dar-lhe tréguas e permitir-lhe descansar.

É que não há pachorra!!! Grande porra!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

GUIA DO CIDADÃO PRÓ ACTIVO

SAIBA LIDAR COM A “CAFAGESTÃO” NACIONAL

MEDIDAS A TOMAR

Comunicações
Mude SEMPRE de canal ou feche o som (também na rádio) sempre que começar a “Publicidade”.
Não veja, não oiça, ganhe raiva à publicidade. Seja fundamentalista neste ponto.
Se tem telemóvel, cancele o telefone fixo (mesmo que lhe digam que aquilo é de graça ou que até dá dinheiro).
Não compre novo telemóvel.
Se não é imprescindível para si, deixe o telemóvel em casa quando sair.
Cancele os “aditivos” a que aderiu para o telemóvel.
Assine apenas os canais básicos de televisão.
Não adira à “mania das velocidades” que publicitam a toda a hora acerca da televisão e da Internet.
Mande-os meter a “Fibra” naquele sítio.
A Internet com 24 Megas é suficiente.
Quando chegar a Televisão Digital Terrestre (TDT), não hesite, arranje a antenazita e cancele o contrato por cabo.

Jornais e revistas
Não compre jornais ou revistas.
Cancele todas as assinaturas activas de revistas que tem, TODAS.
Oiça a rádio e veja noticiários na televisão.

Alimentação
Coma frugalmente, não se empanturre.
Aprenda a beber água à refeição (ganha saúde e deixa de gastar dinheiro em bebidas).
Carne de vaca: coma uma vez por semana ou de 15 em 15 dias.
Peixe: coma uma vez por semana.
Coma de preferência vegetais crus e cozidos, fruta, arroz, feijão, batatas, ovos, leite, grão, frango, salsicha e coisas pouco dispendiosas.
Não frequente restaurantes e bares.
Se gosta muito, beba o seu copinho em casa (pode poupar um balúrdio).

Consumo pessoal e doméstico
Faça a maior parte das suas compras na cadeia LIDL e em mercados tradicionais.
Vá aos hipermercados e supermercados normais comprar apenas o que não encontrou na LIDL.
Adquira alimentos que não exijam muito tempo de cozedura (poupa assim na energia).
Tome no máximo um banho por dia.
Acabe com as idas frequentes ao cabeleireiro.
Use cremes baratos para a pele (têm o mesmo efeito que os cremes “milagrosos”).

Energia
Faça um contrato "Bi Horário Ciclo Semanal" com a EDP.
Use as máquinas de lavar roupa e loiça quando tiver carga máxima para elas e no período nocturno e aos fins-de-semana que é mais barato.
Não deixe luzes acesas em divisões onde não estão pessoas.
Dê preferência ao uso do gás em vez da electricidade para cozinhar e aquecer a água do banho.

Transporte
Esqueça que tem carro.
Ande a pé o mais que puder.
Sempre que precise e possa, ande de transportes públicos.

Lazer
Vá passear para os jardins e espaços verdes.
Acabe com a mania de “IR AO CHÓPING”.
Não vá a shopping nenhum, não vá, não vá, não vá!
Não faça férias no estrangeiro e não vá para hotéis em Portugal.
Troque férias e visitas com familiares e amigos.

Cuidado especial
Vem aí o Natal:
Não se deixe “maravilhar” pelo fenómeno natalício no que ele tem de comercial:
Combine com todas as pessoas com quem costuma trocar prendas, não o fazer este ano. Troquem apenas cartões de Boas Festas e refeições caseiras.

Remédios
Pergunte ao seu médico se pode suprimir algum medicamento menos necessário que costuma tomar.

Crédito e poupança
Sacrifique-se ao máximo, não faça compras desnecessárias.
Não compre nada a crédito. Nada!
Se necessário, em último caso, use o cartão de crédito; mas somente em casos extremos.
Não faça depósitos bancários a prazo.
Não jogue na Bolsa de Valores.
Guarde o seu dinheiro em casa, se isso for seguro.

Estas três últimas medidas levarão os bancos a procurá-lo e a subir os juros dos depósitos a prazo até valores justos e atractivos. O que é preciso é saber resistir à publicidade bancária e não meter lá o dinheiro durante o tempo necessário a que mudem de posição. Resistir sempre. Ao máximo.

Política
Ainda não aprendeu? Olhe que já vai sendo tempo!...
Não eleja ninguém.
Vote em branco.
Não vote em nenhum partido.
Vote sempre em branco.

Agora pode perguntar-me: ― e você vai fazer estas coisas todas?

― Vou-lhe ser sincero: ― Tudo farei para cumprir ao máximo esta cartilha! Pode estar seguro disso! Não conseguirei ver-me ao espelho se assim não fizer.

Nota: Este texto está permanentemente sujeito a alterações que eu considere poderem melhorá-lo.

COISA HORRÍVEL

Claro que é mau haver gente desta.
Mas o pior é termos a qualidade das nossas vidas
entregue à “cafagestão” dessa gente.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

DN AJUDA PS A DESACREDITAR PSD

“Noticiando” o caso do assassinato, no Brasil, de uma cliente do advogado Duarte Lima, o Diário de Notícias não achou melhor fotografia para ilustrar a sua “notícia” senão esta que mostra Duarte Lima no ambiente laranja de um congresso do PSD.

Você que me lê, acredita em coincidências? Para mim isto é uma vergonha e mostra a que ponto reles desceram certos indivíduos que se apelidam “jornalistas”.

Vómito para cima deles!

A PARTITURA QUEIMADA

O PSD tem actualmente um mal que não é pequeno. Abstraindo das enormíssimas pressões escandalosamente feitas sobre Passos Coelho para viabilizar o Orçamento, continua a haver no PSD um mal que tem a ver com os autores principais da partitura política que Passos Coelho está a interpretar (umas vezes com fífias evidentes, outras com desafinações inadmissíveis, outras ainda usando o instrumento errado).

Dos três autores (Ângelo Correia, Nogueira Leite e Miguel Relvas) só um merece, ao que parece, o benefício da dúvida ― falo de Nogueira Leite em relação a quem apenas se anota como algo intrigante o facto de não ter uma boa relação com a Língua Portuguesa (escrita) apesar de ser doutorado.

Pode-se perguntar: ― mas o que é que isso tem a ver com a competência técnica do indivíduo? ― Nada senão isto, digo eu, e continuo a resposta usando como minhas as palavras que uma vez o saudoso Prof. Brito Cardeira (Dermatologista) disse um dia a um aluno que chumbara no exame:

“Senhor Pedro, tenho imensa pena, mas não posso aprovar um aluno que esteja na universidade e não saiba falar bem Português; o senhor não pode começar as respostas com uma palavra que é conclusiva (a palavra “portanto”); vá aprender a responder a perguntas e venha cá na segunda época, está bem?!”

É isso! ― Melhorando o discurso, acho Nogueira Leite credível e ministeriável, sem nenhum problema.

Ângelo Correia é bem conhecido. É o homem da celebérrima “Revolução dos Pregos”; gosta de se ouvir e de se ver ao espelho e, como se costuma dizer, “nunca deu nada para a caixa” das vezes que passou pelo governo. É um entertainer. E Portugal, do que menos precisa é de entertainers ― já os tem a mais.

E agora, Miguel Relvas. Uma metralhadora falante, com silenciador; que tem um modo de falar, uma dicção, tipo máquina de lamber mortalhas: alguém que gosta de passar freneticamente a língua “cusposa” pelas mortalhas dos cigarros de tabaco de enrolar. Fala, fala, fala... e no fim nada fica do que diz, apenas se fica com a sensação de que andou a enrolar uma carteira de mata-ratos só porque é essa a sua função.

Para vendedor de banha da cobra Sócrates é de longe muitíssimo melhor que Miguel Relvas: Sócrates é capaz de nos vender o nosso próprio relógio sem darmos por isso. Relvas é diferente. Para muito pior. É do tipo que quando começa a falar e a mostrar a máquina fotográfica que traz no saco plástico, a gente diz logo: “é pá, eu já conheço esta, não chateies!”

Fica-se então com Passos Coelho e dois terços de Nogueira Leite. É muito pouco para governar um país ― Eis o problema actual do PSD ―. A equipa é fraquíssima e ainda por cima está a ser perseguida por uma catrefada de empresários e banqueiros, de isqueiros acesos prontos para queimarem a partitura e deixarem no ar a musiquinha que o PS de Sócrates tem dado ao povo e ao país.

Se Passos Coelho quer fazer alguma coisa de jeito e que se veja, dê ordem de chumbo do Orçamento. Não há mais nada que possa fazer. Qualquer que seja o desfecho ― vai, vão de certeza, para casa, antes das próximas legislativas. É certinho como o destino!

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

COMO SEMPRE – NÃO SE PERDEU TUDO

Tanto tempo gasto a defender o comunismo durante a juventude e até bem tarde...!

Para depois lermos coisas tristes desta natureza:


Mas... vá lá que ao menos naqueles tempos, pelas mesmas razões ideológicas, se namorou muito e muito bem.

Foi ou não foi, ó...

Uma vez perdi uma namorada esquerdista quando me viu certo dia com um poster do Cunhal...
Eu tinha também o célebre poster do Che Guevara e uma foto ampliada de Amílcar Cabral; mas a gaja embirrou foi com o Cunhal.

Paciência! Azares!

VÓMITO

Depois de mais de meio mundo o ter já sob pressão extrema; depois de três ex-presidentes da República terem ido ao Prós & Prós fazer o frete ao bloco central; hoje é o dia em que Passos Coelho vai receber a visita do presidente da Associação Nacional de Bancos.

Porra, pá! O homem não vai aguentar tanta pressão! Como é mais que evidente.

É que, em última instância haverá uma rebelião do grupo parlamentar do PSD viabilizando o Orçamento e chutando Passos Coelho para o caixote dos ex-líderes. Mas, no meu entender, isto é o melhor que pode acontecer-lhe.

Neste momento Passos Coelho já perdeu a luta pelas suas exigências de não aumento dos impostos e por cortes nos subsídios aos parasitas do regime tão descaradamente à vista nas pressões todas que tem havido.

Então que seja homem e dê a ordem de chumbo ao Orçamento. Perderá certamente. Será desobedecido por muitos deputedos. Mas ao menos preservará a sua dignidade pessoal e política e a possibilidade de mais tarde poder reemergir para a luta política.

Vómito! É o sentimento que me fica deste teatro todo.

CHULARIA LAPAL (De lapa)

Agarrados e alapados às tetas do Estado, mamando os dinheiros dos impostos, uivam e ameaçam Pedro com chuvas de fogo e chagas eternas. 


[José Adelino Maltez no "Albergue Espanhol"]